Associação de Pesquisa OVNI - APO

Pedimos desculpa mas o site encontra-se atualmente em manutenção

Prometemos ser tão rápidos quanto possível.

Obrigado

apo@apovni.org
Tel. 915656529

Rua de Orion, 49 Bairro do Miradouro – Tires
2785-269 São Domingos de Rana - Portugal UE


Veja em arquivo o nosso site

Próximo encontro / palestra

Dia 16 Dezembro 2017 - sábado - 18 horas
Hotel Principe Lisboa - Avª Duque de' Avila, 201 Lisboa


Palestrante: Carlos Loes

Tema: Curas de ETs

Hotel Príncipe Lisboa
Avª Duque d’Ávila, 201 Lisboa
Metro de S. Sebastião

Enquanto o nosso site não está em condições, vamos aqui colocar os avistamentos que nos vão chegando


Ovni parado em Montejunto

Alexandre Tavares, tem 53 anos e vive na Arrifana perto da Serra de Montejunto, no dia 24 de outubro 2017 – terça-feira, estava à espera dum primo, entre as 06.44 e as 06.48 horas viu algo que lhe pareceu ser um avião por cima da Serra de Montejunto. Aquele pressuposto avião estava parado o que contradiz a nossa normalidade aeronáutica a que estamos habituados.

O Alexandre notou que esse objeto era muito grande e estava parado. Notou também que estava cheio de luzes que andavam à volta desse objeto. Notou também que aquele objeto tinha a forma duma elipse e estava a oscilar no vertical e horizontal, com pequenas deslocações para cima e para baixo e para os lados.

Após cerca de quatro minutos com estes movimentos, inclinou-se para o lado esquerdo e ficou encoberto, visto ter sido quebrado a linha de visão com uma casa na Arrifana. Para esta testemunha aquele ovni deveria ter uma magnitude visual de 15mm de diâmetro e estaria na vertical da Serra de Montejunto.

Durante o tempo que foi visível o ovni a cerca de 45º graus de declinação e na vertical da Serra de Montejunto.

Luís Aparício

Rios de naves – Epilogo duma dedicação

A Ana vive em Almada e tem 55 anos, é profissional de seguros, mas também se dedica à espiritualidade e a observar os fenómenos que estão ao seu redor. Diz que a vida é feita de tudo e é bom estarmos atentos para percebermos, quem somos e aquilo que fazemos aqui e qual é o objetivo de estar aqui na terra. *

A Ana disse-nos que foi de férias até Espanha. No dia 15 de junho 2016, quarta-feira, partimos de Benidorm eu e mais 8 amigos éramos 9 pessoas ao todo. Vinham 4 pessoas no meu carro e cinco no outro carro. A Ana diz que o céu estava limpo e era quase meia-noite, até já tínham jantado e até tínham parado para beber café para não adormecer. Vínhamos sem rumo, queríamos encontrar onde dormir debaixo das estrelas, visto a temperatura estar agradável e o céu estar limpinho.

Primeira nave

As pessoas que vinham no outro carro não valorizaram tanto o que se passou a seguir.

No nosso carro vinham quatro pessoas, íamos na autoestrada entre E-15. De repente ao fundo vi uma luz enorme céu, chamei a atenção das pessoas que iam no nosso carro e todos ficamos a olhar, parecia um avião, mas aquilo não se mexia e não tinha o formato dum avião, mantinha-se fixo abaixo do que os aviões transitam, tinha a forma dum donuts sem buraco, fomo-nos aproximando e aquilo continuou lá no céu. Passamos mesmo por baixo daquele objeto e ficamos super destravados (alucinados, exaltados) e vimos logo que era uma nave só poderia ser, a nave estava parada no céu.

Ficamos super emocionados, porque todos vimos o mesmo, todos vimos aquela nave, não dava para parar porque muitos carros estavam a circular e podíamos provocar algum acidente. Também não nos encostamos na faixa de segurança porque era estreita, nessa faixa estava interdito parar visto estarmos na autoestrada E-15 entre Almeria e Cartagena na zona de Vera.

Segunda nave no céu

Continuamos, mas mais à frente ainda não tínhamos acabado de nos emocionar, vimos mais um objeto igual, olhamos para trás e verificamos que o primeiro objeto ainda lá estava, ao fundo, parado no céu. Conseguimos ver as duas naves ao mesmo tempo. Começamos todos a gritar uns para os outros, olha, olha, olha, olha aquele é igual, o segundo objeto também ficou parado no céu, ficamos sem palavras e super emocionados.

Terceira nave no céu

Continuamos a observar melhor o céu e mais à frente, estava um terceiro objeto parado no céu. As três naves eram visíveis. Todos os objetos estavam relativamente baixos depois ficamos todos num grande silêncio, porque aquilo deixou-nos sem palavras, continuamos a reviver o assunto com grande entusiasmo. Os objetos estavam bastante baixos, daí que a emoção era muito maior.

Quarta nave em terra

Quando íamos na autoestrada, eu vi também um objeto igual aos primeiros três a poisar no lado direito da autoestrada, eu não tive tempo de dizer nada a ninguém. Esse objeto pousou na planície, entre uma casa e um grupo de árvores. Eu não disse nada a nenhum dos outros ocupantes do nosso carro, porque percebi que depois de passar mais ninguém poderia ver e olhar para trás e também não podíamos fazer marcha atrás com o carro. É lógico que estávamos numa autoestrada espanhola, por isso eu guardei aquilo para mim. Mais à frente dois ou três minutos depois, eu não aguentei e disse «parece que eu estou louca, mas vi um objeto descer no lado direito da planície».

A minha amiga Sónia disse-me «eu também vi, mas calei-me porque pensei assim «isto não está a acontecer, será que aconteceu mesmo»? Então debatemos o que avistamos, eu e a Sónia e percebemos que ambas vimos a mesma nave aterrar no lado direito da autoestrada.

O objeto que tinha poisado na planície era como um donuts sem buraco, esse ovni teria talvez o tamanho de uma casa (quinze metros de diâmetro). O objeto tinha a forma dum donuts sem buraco, «todo redondinho» cheio de luz que fazia uns tremeliques (sic) (luz estroboscópica), emitia o mesmo tipo de luz parecida com os outros objetos que estavam no céu.

Essa nave tinha um aspeto metálico mesmo com as luzes envolvidas, talvez porque estava parado, tive maior perceção da sua constituição.

Recordar emoções

Quando estávamos a fazer a entrevista a Ana olhou para o chão a reviver as emoções, tentou recordar-se melhor e disse «eu não vi se ele poisou no chão, ou estava mesmo rente ao chão, mas pareceu-me que tinha ficado a pairar por cima da planície». Emitia uma luz de cor branca como todos os outros objetos. A luz parecia do mesmo tipo que as nossas lâmpadas fluorescentes, ou igual às utilizadas discotecas como se houvesse uma auréola a volta.
Essa luz não feria a vista. Foi um avistamento fantasticamente mágico. Todos nós que íamos dentro do carro sentíamos uma grande paz e um grande acompanhamento, como se estivessem a embalarmo-nos com mimos de paz. Resumindo a Ana diz que em 20 minutos viram quatro naves.

Possível ninho e ovnis

O nosso destino era Almayate para visitarmos um casal amigo, espanhóis. Quando lá chegamos contamos-lhes logo aquilo que tínhamos visto e onde se tinha passado. Eles disseram que aquela zona era muito propícia para se verem em naves espaciais. Esse casal disse que conheciam pessoas que costumavam ver naves espaciais naquela zona, muitas vezes. Parece que as pessoas daquela zona já nem ligam ao assunto, visto que os avistamentos são muito frequentes naquela zona.

Nota da APO:
Em frente a Benidorm, no mediterrâneo, donde a Ana partiu, estão as ilhas Baleares onde são avistados muitos osnis a sair e a entrar nas águas do Mediterrâneo. Lembramos que muitas vezes nas Baleares são ouvidos sons muito altos, como se fossem marteladas em bigornas. Perto de IBIZA há um rochedo chamado Es vedranell e Es Verdá, onde é vista muita atividade osni.
Mas esta atividade ovni/osni no Mediterrâneo, não justifica por si, o conjunto de avistamentos da Ana. Acreditamos que sua atenção à vida e os trabalhos espirituais que faz, são o polo de atração, para o avistamento destas 4 naves.
Quando a Ana se refere que não podia parar na autoestrada, penso (eu Luís Aparício) que esse receio de parar, era algo que lhe estava a ser imposto. Talvez inconscientemente lhe dissesem, «continua porque terás mais avistamentos».


Mais avistamentos noturnos


Foi um dia cheio de emoções, quando chegamos a Almayate fomos dormir ao relento, nós gostamos muito de dormir e ver as estrelas, eu não consegui ver nenhuma estrela porque estava muito cansada e entrei logo em sonolência.

Um dos casais que nos acompanhava foi passear e não dormiram nada durante toda a noite. Esse casal viu passar várias naves no céu. Não foram duas nem três, foram muitas. Disseram que foi lindíssimo ficaram muito emocionados, porque essas naves passaram muito mais perto do que aquelas naves que víamos na Fonte da Telha na Costa da Caparica.

Foi um dia muito intenso foi um dos dias mais extraordinários da minha vida, aquilo que vimos na autoestrada. Fez-me sentir outra pessoa, sinto que o cosmos me deu um abraço de paz.

Analisando as declarações da Ana quanto ao trajeto que seguiu na E-15 e porque foi o mesmo foi feito de noite, torna-se dificil, entender onde se deu os avistamentos e especialmente o quarto ovni que ficou a pairar perto de terra. Por iso fizemos uma busca no google maps e tentamos encontrar essa planicie do lado direito da autoestrada. Assim colocamos aqui um link, que talzez possa dar uma ideia da paisagem que se encontra na E-15 na zona de Vera.
Carregue aqui para ver a possível paisagem ao lado da E-15


Um sol na noite Galega

Eu continuei de férias em junho de 2016 e estivemos em Espanha e fomos para a Esculqueira – La Mesquita na zona de Ourense na Galiza em Espanha a cerca de 60 km de Chaves. Nós montamos a nossa tenda a beira do rio TAMEIRON (Orense) e ficámos completamente sozinhos numa praia fluvial feita pelas pessoas da aldeia. Essa zona é fantástica e estava completamente isenta de poluição luminosa, uma coisa surreal em termos de beleza, porque à noite víamos muitas estrelas.

Nas quatro noites que lá ficamos, a lua não era visível e observamos muitas naves a passarem. Eu fui mais agraciada do que o meu marido.

Uma dessas naves parou atrás dumas arvores e ficou quietinha, bem perto donde estávamos, deveria ter o cerca de 40 cm de diâmetro, (esta medida foi feita a partir do local onde a Ana esteve) depois começou a deslocar-se no céu, foi entre as 22 e as 23 horas.

Uma outra nave aproximou-se com uma velocidade elevada e ficou parada por cima de mim, vi que era uma bola enorme, parecia um sol e eu comecei aos gritos para o meu marido acordar, um objeto parou durante alguns segundos, dando para o seu marido também ver aquele enorme sol e logo a seguir disparou em direção ao céu objeto redondo muito brilhante.
Esse objeto teria cerca 80 cm de diâmetro e ficou parado a cerca de 50 metros de altitude, portanto a sua dimensão real teria de ser muito grande. Parece que aqueles segundos que ali esteve tinham como missão deixar-se, ser devidamente observado.

Este objeto não era tão grande como as naves que nós vimos na autoestrada E-15 em Espanha. Parecia ser um objeto metálico com luzes todas envolvidas, tive maior perceção da sua constituição porque o objeto estava parado, foi também uma grande emoção.

Estes avistamentos são sempre a mesma hora de noite, parece que se abrem portais sempre entre as 22 e as 23 horas.

A Ana reafirma que o objeto que viu em Ourense parecia um sol que apareceu de repente, do nada, «eu só vi a forma, depois parou e a seguir desaparecer para o espaço», tendo em seguida rumado para o espaço a alta velocidade.

Um passado fantástico

Aí nessa localidade também há muitos anos, recordo-me que vínhamos 10 pessoas, duma festa, em cima do reboque dum trator, era o meio mais fácil de percorrer caminhos pedregosos através da fronteira entre Portugal e Espanha para podemos passar a fronteira entre Portugal e Espanha.

Vínhamos pelo caminho florestal e de repente tudo ficou iluminado como se fosse de dia. Essa bola de luz era tão grande que parecia um sol. Esse sol foi vai aterrar num terreno do outro lado dum monte. Como se quisesse só mostrar-nos o seu esplendor e não a sua forma.

Nesse terreno ficou aí a brilhar enquanto possivelmente esteve lá parado. Nós íamos no reboque do trator e todos vimos aquela luz enorme e ninguém falou «ninguém disse nem aí nem ui», ninguém fez nenhum comentário, mas toda a gente viu.

Era uma luz com uma magnitude tão elevada que ficamos todos cheios de medo, porque tínhamos receio de encontrar esse sol, no outro lado do monte, para onde teríamos que passar. A sua luminosidade era tal que ficou a brilhar durante todo o tempo que esteve lá parado, deixando uma aura luminosa nesse monte. Possivelmente este acontecimento foi em 1994. Esta visão desta nave de luz foi algo que nunca mais posso esquecer.

Vaga de ovnis em 2015

Em junho de 2015 vimos passar centenas de naves, eles passavam, passavam, passavam, passavam, eram muitas centenas. Este acontecimento apresentou-se de forma igual, também elas param aqui por cima do nosso terraço, só que apresentavam-se mais próximas e depois dirigiram-se para sul. Estávamos num jantar, com 12 pessoas a ver esta procissão de ovnis. De início começamos a ver este acontecimento duma das varandas viradas para Lisboa e a seguir fomos para o terraço ver a exibição.

As pessoas que estavam na rua aqui em Almada velha, viram e ouvimos os gritos delas para chamarem a atenção dos demais Almadenses.

Era como se estivessem a dançar só para nós, fui muito, muito lindo depois formaram outra vez e seguir para sul lentamente.

Não eram os balões led pomos de parte tal possibilidade. Estas naves apresentavam uma magnitude superior as estrelas todas elas estavam a piscar.

Havia algumas das naves que não piscavam tinham uma luz fixa. Não poderia ser nenhum objeto feito pelo homem porque elas aparecem de norte depois param depois fazem figuras geométricas, exibições, depois partem lentamente para sul.

Uma das formações que notamos foi a formação de um triângulo isósceles no quadrante do céu houve outros tipos de formação.

Neste caso de junho de 2015 as naves estiveram paradas por cima do nosso terraço aqui na parte velha de Almada mais de 20 minutos, seguir formaram-se novamente e partiram para sul.

Ainda chegamos a filmar com o telemóvel, mas a qualidade das imagens ficou má.

Vaga de ovnis em julho 2016

Foi numa sexta-feira no princípio de julho de 2016, estávamos em casa a jantar e a Sónia foi a primeira a ver uma frota enorme de naves. Ouvimos também as pessoas na rua a dizerem «olhem, olhem, olhem». As pessoas (Almadenses) só sabem dizer olhem, mas não dizem estão naves no céu, acho que até têm medo da palavra, ou talvez por ser algo tão fantástico as pessoas nem saibam aplicar a palavra correta perante aquele acontecimento anómalo ou talvez para alertar outras pessoas para que saíssem das suas casas e dos cafés, para também verem.

Depois fomos todos a correr para o terraço.
Essa frota de centenas de naves, passam por cima da minha casa. Tinham uma trajetória a media altitude, percebia-se perfeitamente que eram naves. Até aqui à vertical da minha casa as naves param, talvez para nós aqui as vermos mesmo. Nós somos mesmo abençoados. As naves vêm em frota e depois formam-se em triângulo e depois, numa atitude de «nós sabemos que vocês estão a olhar para nós aqui em cima».

Procissões de ovnis sobre Almada 27 agosto 2016


No sábado dia 27 agosto 2016, eram 22:55 horas algo de grandioso aconteceu aqui em Almada – velha. Estávamos aqui deitados no meu terraço a ver as estrelas, eramos no total 10 pessoas, toda a gente viu uma frota de naves.

Desta vez estávamos a jantar num terraço vimos uma frota de naves, que vinham de Lisboa passando aqui por cima da Almada – velha.

As naves que a Ana observa, vêm sempre do mesmo ponto cardeal, norte para sul. Possivelmente eram centenas de naves, cada uma dessas naves teria a magnitude de um avião que se vê passar a noite a 11.000 metros. Vimos que naquele naquela frota de naves, as naves que vinham em formação como se fosse um rio de naves.

Parece que se abrem portais e as naves vêm em forma de rio e por cima da casa da Ana saem da formação e começam a fazer triângulos e baixar de altitude aqui. Era como se viessem formação triangular com o bico para baixo. Todas as outras naves vinham atrás de forma ordenada (em formação). Algumas das naves não saem da formação continuam sempre para sul.

Para espanto da Ana e dos seus amigos que estavam no terraço, as naves começaram a fazer figuras geométricas. O grosso das naves tinha uma formação triangular, com o bico para baixo. Isto é era triângulo vertical e não horizontal. A luz emitida por estas naves piscava.

Quando chegaram a parte velha de Almada pararam como se estivessem a dar-nos a mensagem «olhem para nós, como se soubessem que nós estávamos no terraço». Quando as naves chegaram à vertical de Almada velha começaram a sair da formação e a espalhar-se, fazendo de seguida formas geométricas aleatórias. A Ana emocionada disse-nos «Digo que nós estávamos a ser abençoados».

Aquilo que achamos extraordinário foi que pareceu-nos ser presente só para nós. Desta vez também as pessoas dos cafés saíram para a rua e vieram ver o que outros Almadenses começaram a gritar «olhem, olhem».

Uma das nossas amigas presentes aqui no terraço que nunca tinha visto nenhuma nave (ovni) fico completamente fascinada. Estávamos num retiro de mudança de comportamentos para tomarmos consciência das nossas emoções e achei engraçado essa amiga mudou completamente sua forma de estar e de ser, a partir daquele dia. Desse sábado para a frente ela transformou-se noutra pessoa, acho extraordinário este presente.

As naves chegaram aqui por cima do nosso terraço em formação, depois dispersaram depois dispersaram-se depois ordenaram-se e seguiram em direção a sul uma velocidade muito lenta.

Nave em 4 setembro 2016

No dia 4 setembro 2016, no domingo seguinte, entre as 22 e as 23 horas, passou uma nave mesmo por cima do terraço da Ana na Almada velha. O tempo estava bom e sem a luminosidade da lua, o céu estava estrelado e a nave por cima de Almada. Fui chamar o meu marido, aos gritos e ele ainda viu a sua passagem.

Esta exibição de junho de 2015 emocionou nos muito parecia que havia uma solidariedade do espaço connosco.

Ainda chegamos a filmar com o telemóvel, mas a qualidade das imagens ficou má.

PS
Seguimento do primeiro parágrafo:

* É importante mesmo, se nós não fizermos este processo de sabermos quem somos, estamos um bocadinho perdidos na Terra e dedicamo-nos demasiado às emoções e ficamos tristes. Quando olhamos para o céu e para as estrelas, e começamos a ver que há outras coisas (ovnis), percebemos que não estamos sozinhos no universo e que a vida é mais do que sermos só humanos. Por isso eu acredito que há vida noutras planetas até porque as provas são tantas, então é impossível não acreditar.
Acho que as coisas vêm até mim com um propósito, como eu sou uma pessoa alegre, entusiasmada e motivadora, acho que sou credível e quando eu falo as pessoas acreditam, nos processos da ovnilogia e de sermos doutros planetas.

Eu motivo as pessoas a irmos ver as coisas (ovnis) e as pessoas têm as suas experiências e ficam completamente esmagadas com tudo aquilo que têm visto comigo.

As coisas acontecem quando nós nos dispomos, até com pessoas que são muito céticas. Isso já tem acontecido com pessoas do nosso grupo que dizem «eu nunca vi», mas quando nos dispomos e estamos em silêncio à espera, acontece a magia, que é vermos todas estas coisas (ovnis).

Luís Aparício

A APO sauda a comunidade hindu pelo DIWALI 2017, festa religiosa equiparada ao natal dos cristãos. Amanhã dia 20 outubro 2017 será o primeiro dia do ano 2074 da era Vikram.

Centenas de Luzes em Torres Vedras
Um pessoa que quis só identificar-se com o nome de José afirma que no dia 12 outubro 2017 pelas 22 horas em Torres Vedras diz que viu centenas de luzes no céu.
Afirma que foi alertado pelas suas vizinhas que estavam assustadas com aquela observação.
Algumas das luzes piscavam outras tinham luz fixa.
Agradecemos que nos dêm mais informações desta acontecimento em Torres Vedras.

Milhares de naves na Costa da Caparica

Costa da Caparica dia 7 outubro 2017 – 23.10 h
Celso diz que é bastante difícil descrever aquilo que viu, para comprovar mandou uma foto a uma amiga comum, a ANA. Aquilo que viu, descreve-o como uma grande cabeça com muitas naves com uma magnitude visual muito intensa, tinha a particularidade de acenderem e apagarem com tempos diferentes, isto é cada nave tinha a sua luz acesa durante um período de tempo diferente das demais. Essa cabeça cheia de naves tinha uma grande cauda muito larga e com um km de comprimento: Esse aglomerado de naves estava por cima do areal.
O Celso estava dentro da tenda e sentiu que lhe estavam a dizer (foi chamado) para que saísse para fora da tenda. O Celso diz que eram mesmo naves, porque numa noite de Lua cheia as estrelas eram pouco visíveis. Nunca tinha visto milhares de naves muito perto da Terra. Parecia uma arvore de natal incandescente, era tão grande a mancha que era impossível quantificar o numero de naves. Depois começaram a andar um pouco para o mar, mas depois desapareceram.

O Celso quando questionado sobre a magnitude de cada uma das luzes diz que não sabe, mas justifica que conjuntamente com uma amiga, foram apanhados desprevenidos e não ficaram atentos aos pormenores, limitaram-se somente a contemplar o todo. Nunca tinha visto algo assim.
O único pormenor que adianta é que eram enormes, cada uma das naves era enorme. Era uma situação diferente de luzinhas que são vistas no céu a grandes alturas. Enfatiza que eram enormes, cada nave era enorme e dotadas duma luz branca brilhante incandescente como nunca viu.
A primeira vez que viu as naves já estavam por cima do areal da Fonte da Telha e com a cauda virada para a praia do Meco, e porque a sua grandeza era tal que ocupava um pouco do mar. O desaparecimento daquela mole de naves, começou por, primeiro as luzes da cauda apagarem-se, depois foi as luzes da cabeça.
O Celso diz que deveriam ter estado a ver aquelas naves durante cerca de dez minutos. Acha que as naves estiveram ali, até ele e a sua amiga entenderem que aquilo eram naves e não alguma ilusão. Acha que era uma dádiva de alguém que queria lhes dar uma prova da sua existência. Recorde-se que atrás o Celso diz que foi instruído a acordar e sair da tenda, portanto as naves já ali poderiam estar antes de acordar.
O Celso pensa que foi uma prendinha para o seu trabalho por ter estado todo o verão a dormir na praia.
Outra testemunha em Almada de nome Sónia (nossa conhecida), morando no centro de Almada num segundo andar foi alertada pelo telefonema do Celso e disse-nos que consegui ver passar por cima do monumento ao Cristo Rei um vasto numero de luzinhas, acentua que poderia ter tido uma melhor noção das luzinhas se não estivesse tanto nevoeiro em Almada.
Comentário:
Cada vez aparecem mais este tipo de observações, o que será. Já pusemos de parte serem resultante do lançamento de balões Led. Numa Vigília que fizemos na Peninha em Sintra, vimos uma enorme mancha de luzinhas em forma de melão. Em S. Pedro do Estoril em 2014 vimos no zénite, a uma altitude muito elevada uma grande nuvem de luzinhas, que no local cada uma delas deveria ter dimensões apreciáveis: Daí fica a pergunta, será que estamos a ser avisados para algum acontecimento?

Oiça as declarações do Celso


Agradecemos que mais pessoas tenham visto esta deslocação de naves que nos comuniquem o seu depoimento.
Luís Aparício


Vaga de ovnis em 29 julho 2017, às 01,32 horas
Na nossa ultima palestra falamos com um nosso colaborador e este relatou-nos aquilo que um seu amigo lhe disse quando estava a sair do trabalho da Autoeuropa, na margem sul do rio Tejo.

Ele é brasileiro e tem muitos conhecimentos de astronomia. Verificou que havia no céu um aglomerado de luzes com o feitio de uma banana. As luzes piscavam pareciam pequenos discos que iam rodando por si próprios, mas também no agrupamento todo.
Alguns dos discos brilhavam mais ou brilhavam menos conforme o sol lhes incidia em altitude.
Eram centenas de luzes que ia deslocando-se no céu até que alterou a sua para uma meia lua.
Aquela meia lua foi-se desvanecendo lentamente. Desde que foi visto até desaparecer durou cerca de cinco minutos.
Aquelas centenas de luzes deslocavam-se a uma altitude muito elevada.

O mesmo avistamento em Lisboa

Outra pessoa, que não quis identificar-se, sabemos só que é engenheiro químico, disse-nos que estava em Lisboa e viu passar por cima do estuário do rio Tejo um aglomerado enorme de luzes.
Estava a testar um detetor de ovnis e diz que houve interferências radio elétricas. Diz ser um aparelho de «interferência geo-magnética». Quando os ovnis passaram fizeram uma interferência no espetro do aparelho, esse aparelho estava exteriorizar a informação processada para um computador e foi possível ver o efeito em gráficos da passagem dessa massa de ovnis.
Este engenheiro diz que não eram aviões, reafirma que teriam que ser aparelhos com massa magnética elevada. Estavam com este engenheiro mais três pessoas da sua família que também assistiram a esta passagem do aglomerado de luzes.
Este engenheiro relata que conseguiram contar as luzes que seriam 80 e 83 luzes. Havia umas luzes que circulavam uma à volta da outra. Parecia ser um objeto coordenado, o objeto parecia estar baixo, se referir a altitude.

Ovni passeia-se durante um ano em Portugal

Esse cidadão brasileiro acima referido, diz também que houve um objeto que andou entre o Barreiro e a Serra da Arrábida sempre cerca da meia noite durante todo o ano de 2014. À primeira vista poderia parecer um avião, mas porque fazia manobras muito anormais, dava para perceber que tinha de ser algo fora dos nossos domínios tecnológicos. Entre as muitas vezes que viu menciona o dia 19 dezembro 2014.


Muitas Luzes em Alpendurada

Armindo Dias tem 62 anos e é médico conjuntamente com mais duas médicas, estavam perto do Convento de Alpendurada junto ao rio Douro e cerca das 01,15 horas do dia 20 agosto 2017, viram passar muitas, muitas centenas de objetos luminosos no céu. As luzes eram cintilantes de cor branco amarelado e estariam a cerca de 10.000 metros de altitude.

Viam-se também algumas luzes dispersas, a grande mancha seguia pelo rio abaixo, desapareceram na direção da foz do rio Douro.
Este médico que sempre foi um incrédulo absoluto sobre o fenómeno ovni, mas agora não consegue intender o que viu, ultrapassa-lhe o conhecimento.
À distância dum braço estendido aquela mancha teria um metro e meio de comprimento. Ocupava no espaço uma volumosa área.
Cada uma daquelas luzes à distância dum braço estendidoteria menos dum terço da unha do dedo mínimo.
A sua esposa chamou-o diversas vezes para vir ver aquele aglomerado gigante de luzes, portanto aquela macha de luzes esteve a ser vista durante mais de sete minutos.






Enorme nave no Ribatejo

Alexandre Tavares tem 53 anos e é músico e DJ e já trabalhou em diversas rádios. No dia 26 de maio 2017 sexta-feira, havia nesses dias as festas taurinas em Azambuja, eram 22:00 horas e o céu estava limpo.
Depois de se sair da Arrifana em direção a Manique do intendente , vira-se à direita e nessa curva existe a Quinta da Lapa. O Alexandre ia com um primo, a pé até à localidade de Manique do Intendente e viram à distância talvez por cima da localidade de Vila Nova de São Pedro (39º 12’ 41,17” N 8º 50’ 36,76” O) que fica a 4,388 km dessa quinta, umas nuvens retangulares, mas com os cantos arredondados. Eram três nuvens cinzentas e densas. Por detrás dessas nuvens havia uma claridade branca.
Dentro do retângulo da própria nuvem havia uma pequena janela. Deu a impressão ao Alexandre que o clarão branco que emanava dessa fresta, era o responsável pela luminosidade que existia atrás da nuvem.
Comentário da APO: Pode ser que do outro lado também existisse uma outra fresta que provocava aquela aureola branca na parte oposta, daqueles três retângulos.

Os clarões que emanavam a partir da fresta superior da nuvem piscavam alternadamente. Curioso foi que não era só uma nuvem eram três nuvens agarrados. A fresta da nuvem da esquerda emitia um clarão muito branco, depois era a fresta da nuvem do meio que emitia o clarão branco depois era a fresta da nuvem da direita que emitia o clarão muito branco, parecia as luzes estroboscópicas duma discoteca, depois voltavam a fazer a mesma sequência de acendimento das frestas.

Aquelas nuvens deveriam estar muito baixas, para o Alexandre estariam a 15 cm de altitude, atendendo ao local donde estava a vê-las, quando passou em frente à Quinta da Lapa.

Era um espetáculo lindo, durante 20 minutos o Alexandre Tavares e o primo iam apreciando aquelas três luzes muito potentes e brancas, enquanto caminhavam até quase a Manique do Intendente. Depois quando voltaram cerca das 01 horas já não viram nada no céu ao longe por cima Vila Nova de S. Pedro.



O Alexandre pensa que aquelas nuvens poderiam também estar um pouco mais longe talvez por cima do Cartaxo. O que aumentaria a sua dimensão real. O que mais impressionou Alexandre Tavares e o primo foi que aquelas nuvens contrariamente ao normal, estavam na vertical!
Para o Alexandre aquelas nuvens teriam 12 cm de altura e 60 cm de comprimento, portanto no local teriam de ser enormes. De inicio o Alexandre e o seu primo pensaram que era trovoada, mas para isso era preciso ouvirem-se os trovões, o que não acontecia, havia total silêncio.

Lembramos que a Arrifana está muito perto da Serra de Montejunto, palco de muitos avistamentos de ovnis.

Luís Aparício




50 luzes lado a lado
Gonçalo Pereira, tem 37 anos, vive na Rua do Outeirinho em Santarém. Estava dentro da sua casa e foi chamado pela sua esposa para ver algo que o surpreendeu. No sábado dia 29 julho de 2017, eram 23,30 horas viu vir de sul para norte mais de 50 luzes que seguiam todas lado a lado, passavam em filas de 3 a 4 luzes. A velocidade que se deslocavam era superior à das avionetas. Essas luzes também tinham uma velocidade superior à dos aviões que circulam a 11.000 metros de altitude reafirma o Gonçalo Pereira.
Essas luzes deveriam ir a uma altitude muito baixa talvez 3.000 metros. Cada luz tinha uma magnitude superior a qualquer estrela conhecida, talvez se aproximando da magnitude da ISS.
A passagem destas luzes decorreu durante cerca de 7 minutos. Esta testemunha afirma que nessa noite não havia nenhum vento. Quando inquirido o Gonçalo Pereira sobre se poderiam ser balões led, o mesmo acha que o comportamento das luzes que seguiam em grupos de 3 a 4 denotava algum tipo de ordem inteligente.
Este acontecimento foi presenciado pela sua esposa e pelo seu filho.
Luís Aparício


Bola de luz em Montejunto

João Ramos tem 57 anos e é perito forense vive em Lisboa, mas no sábado 22 de julho 2017, pelas 22,45 horas estava no Cadaval, com a família. A noite estava límpida e para sua supressa viu passar no céu uma bola de luz muita branca.
Era algo diferente daquilo que estava habituado a ver nas suas observações noturnas, não era um balão, nem um avião. Tinha de ser algo invulgar aquela bola de luz deslocava-se a uma velocidade superior à dos aviões comerciais e ia a uma altitude superior às dos aviões comerciais ia mesmo a uma altitude muito elevada.
Estava na varanda e via o todo o céu e pegou nos binóculos do genro e conseguiu ver que a bola emitia uma luz branca muito límpida e pura, dava a impressão que aquela luz tinha a forma esférica, acentua repetidamente que era muito pura a luz.
Quando avistou primeiro a bola de luz, viu que a luz vinha de Montejunto para o mar, ou seja, de leste para oeste, depois fez uma mudança de trajetória e seguiu o caminho de sul para norte. A bola mudou de direção e de velocidade.
Depois apareceu uma segunda bola de luz que aparentemente seguia a primeira. Quando estava a ver o acontecimento viu que passou dois aviões que seguiam a uma rota muito baixa. o que deu para comparar, as bolas estavam a uma altitude muito superior.
Afirma que seria impossível ser um balão visto que voava a uma velocidade muito elevada, e não era também nenhum satélite.
Houve uma separação de dois minutos entre o aparecimento das duas bolas de luz.
Durou mais de um minuto cada uma das observações
A luz emitida era de cor branca muito linda, muito linda, parecia que possuía uma energia própria.
Luís Aparício



Estrela ascendente com cauda multicolorida no Pragal


Jane empresária de moda, com 33 anos, vinha do Almada Fórum no dia 24 janeiro 2017 entre as 23 e as 23,30 horas. Quando contornava a rotunda para ir para a Costa da Caparica vê por cima do Pragal, talvez na vertical do Bairro Branco, uma estrela ascendente (o contrário duma estrela cadente), na cauda dessa estrela tinha várias cores.
No local deveria esse cilindro deveria ter vários quilómetros de comprimento, parecia tubular virado para cima era algo muito grande. O rabo desse cilindro emitia chamas com várias cores como o amarelo alaranjado e o azulado. A cauda da chama que saia do cilindro era enorme talvez 1,5 vezes o tamanho o cilindro.
Parecia que daquele cilindro saia combustível e entrava logo em processo de combustão colorida. Jane diz que só pode ser um ovni, desapareceu no firmamento.
Luís Aparício